Depressão em idosos: saiba quais são as causas, sintomas e como a família pode ajudar

Publicado por

Tristeza ou depressão? Como podemos identificar uma tristeza passageira ou profunda em um idoso? O que fazer para ajudar um amigo ou familiar que esteja enfrentando a depressão na terceira idade?

A depressão é uma doença psiquiátrica que causa transtornos de humor e que provoca no indivíduo sentimentos negativos como baixa autoestima, desesperança, rejeição, isolamento, dificuldades de concentração, distúrbios do sono e do apetite.

A depressão é comumente confundida com a tristeza, o que facilita que milhares de pessoas sofram com o problema sem um tratamento adequado.

Enquanto a tristeza é passageira, a depressão é uma doença crônica caracterizada por uma tristeza profunda e duradoura, acompanhada por sentimentos e pensamentos ruins. Nos casos mais graves de depressão, a ideia do suicídio também pode estar presente.

Nos idosos a doença é muito negligenciada, pois acredita-se que que a depressão esteja associada ao processo de envelhecimento, o que não é verdade. Saber distinguir a tristeza, a necessidade de recolhimento e a falta de disposição física de um possível quadro de depressão em um familiar de idade avançada é o primeiro passo para um tratamento eficaz contra a doença.

Quais são as causas da depressão em idosos?

Especificar exatamente quais são as causas da depressão em pessoas idosas ainda é um grande desafio para a ciência, pois vários fatores podem desencadear a doença.

Fatores psicológicos e sociais podem causar a depressão em pessoas idosas, entre eles a síndrome do ninho vazio (quando os filhos vão morar sozinhos em virtude de casamento ou de independência financeira); abandono dos familiares; perda de um ente querido; aposentadoria; mudança da rotina e a descoberta de alguma doença.

Existe também a predisposição genética, que é quando o idoso possui outros familiares com quadros de depressão.

Há ainda o desequilíbrio hormonal. Em idosos, esse problema geralmente é decorrente da menopausa ou de distúrbios da tireoide, glândula que regula funções importantes do organismo. Essas mudanças hormonais podem ser o estopim para uma depressão na terceira idade.

Quais são os sintomas da depressão em idosos?

Idosos com depressão geralmente apresentam sintomas como dores musculares, cansaço excessivo e perda de memória. Entretanto, outros sintomas também podem estar presentes no dia a dia deles, por isso é sempre bom que um familiar esteja atento às mudanças de comportamento do idoso:

  • Não querer sair mais de casa (reclusão);
  • Distanciamento da família e dos amigos;
  • Choro ou gritos (principalmente quando estão sozinhos);
  • Irritabilidade excessiva;
  • Sentimento de rejeição (ninguém me ama, sou inútil);
  • Insônia ou sono em excesso;
  • Problemas intestinais;
  • Aumento ou perda de apetite, que pode causar ganho ou perda significativa de peso;
  • Não querer mais tomar remédios.

Como ajudar um familiar idoso com depressão?

Se você identificou um ou mais sintomas depressivos em um familiar com idade avançada, a atitude mais sensata a se tomar é procurar ajuda de um profissional, no caso um médico.

Em um primeiro momento, um clínico geral poderá ser consultado. Esse profissional da medicina poderá solicitar exames de sangue e outros que se fizerem necessários para saber se não há alguma outra doença desencadeando sintomas parecidos com o da depressão no idoso.

Descartando tal possibilidade, o clínico geral irá encaminhar o idoso para um acompanhamento com um psicólogo ou psiquiatra, dependendo do grau dos sintomas apresentados.

Ambos profissionais são especializados em tratar distúrbios psicológicos, porém, com uma pequena diferença: o psiquiatra é o profissional mais indicado para tratar casos mais graves de depressão em idosos, pois como são médicos, podem prescrever medicamentos como antidepressivos para minimizar os sintomas da doença.

Já o psicólogo é considerado um médico da alma. Sua graduação em psicologia não o permite receitar remédios, somente em tratar transtornos psicológicos através da psicoterapia, um tratamento baseado na conversa e que pode ser individual ou familiar.

Um tratamento mais eficaz contra a depressão na terceira idade pode ser alcançado com a combinação de um atendimento psiquiátrico com a psicoterapia. Em ambos os casos o carinho e o apoio dos familiares mais próximos ao idoso é fundamental para vencer a doença.

Existe algum tratamento alternativo para a depressão na terceira idade?

Além das terapias psicológicas e psiquiátricas, ações alternativas também podem ser adotadas no combate à depressão na terceira idade.

Atividades físicas monitoradas por um profissional especializado, aulas de dança, musicoterapia e acompanhamento com um nutricionista para o ajuste de uma alimentação mais balanceada e saudável são ótimos aliados para a manutenção do bem-estar do idoso e da recuperação da sua autoestima.

Participar de eventos comunitários e culturais também se constituem como ótima pedida, já que dessa forma é possível que o idoso faça novas amizades e se mantenha atualizado com o que está acontecendo ao seu redor. Esse sentimento de pertencimento e contribuição são sempre motivantes!

Fazer parte de um grupo de apoio é outra ação alternativa que pode ser determinante para a cura da depressão na terceira idade. Unir-se a pessoas que passam pelo mesmo problema é uma forma de ser solidário com a dor do outro, reconhecer em si mesmo as mesmas dificuldades e buscar a melhor forma de lidar com as emoções.

Devemos lembrar que a cura da depressão em idosos é um processo de médio a longo prazo, de acordo com o grau dos sintomas da doença. Por isso, recomenda-se iniciar o tratamento o quanto antes.

Vale a pena ressaltar também que o apoio, o carinho e a presença dos amigos e dos familiares é indispensável na recuperação do estado clínico do idoso. Nenhum tratamento contra a depressão na terceira idade é tão eficaz quanto o amor.

E você? Tem algum familiar ou amigo idoso que esteja com sintomas de depressão ou já realizando o tratamento? Conta pra gente como está sendo a sua experiência em ajudá-lo a vencer a doença!

15 comentários

Deixe uma resposta