6 benefícios das relações intergeracionais entre avós e netos

Publicado por

O amor incondicional transmitido entre avós e netos contribui para um envelhecer mais saudável e feliz.

Consideradas pilares das famílias, as avós sempre estiveram presentes na sociedade de uma forma muito marcante. Estudos comprovam que as avós são seres de fundamental importância para o crescimento sadio das crianças, fazendo com que as mesmas se desenvolvam mais felizes e confiantes!

A evolução da sociedade brasileira mudou o perfil das vovós e fez com que essas figuras maternas assumissem papéis diferentes: Hoje em dia já não é mais possível pensar na avó como aquela da dona de casa com agulha de tricô ou crochê nas mãos enquanto espera o bolo assar no forno.

Atualmente as vovós podem assumir – e, diga-se de passagem, com louvor – diversos papeis na família: mães, amigas, educadoras ou simplesmente avós de fim de semana; mas o fato é que independentemente do papel que assumem, elas estão cada vez mais presentes na vida dos netos.

Vários são os motivos que fazem com que as avós estejam cada vez mais perto de seus netos. Em algumas situações, o casal passa pelo dissabor do divórcio e a mãe volta para a casa dos pais junto com a criança; em outras situações, a filha se torna mãe muito jovem e não tem maturidade suficiente nem independência financeira para criar sozinha o próprio filho e em outros casos, o casal trabalha fora e prefere deixar a criança com alguém de confiança ao invés de deixar em uma creche. E quem pode ser mais confiável do que a própria avó, não é mesmo?

Benefícios das relações intergeracionais entre avós e netos:

Se por um lado os cuidados e mimos das avós fazem bem aos pequenos, devemos ressaltar também os benefícios que esse relacionamento de amor incondicional entre gerações tão diferentes proporciona às pessoas idosas. Trata-se de uma cumplicidade tão recíproca e inexplicável que só pode ser benéfica para ambas as partes; a seguir separamos 6 benefícios das relações intergeracionais entre avós e netos para você entender como esse amor incondicional que é transmitido de geração em geração pode contribuir para a qualidade de vida da pessoa idosa:

  1. Sentimento de resgate: Ao se tornarem avós, as pessoas mais velhas trazem para si novamente o sentimento de utilidade e importância que tinham para seus filhos há muito tempo atrás, quando estes eram pequenos. Você já deve ter escutado que ser avó é ser mãe duas vezes, não é mesmo? E essa frase pode ser tomada como verdadeira se analisarmos que ao se tornarem avós os sentimentos de maternidade e amor incondicional são retomados na vida das mulheres idosas.
  2. Sensação de rejuvenescimento: Idosos que se tornam avós ficam mais dispostos, são mais saudáveis e mais felizes. Isso porque ao ter novamente uma criança que depende de si, os idosos se encorajam mais a tratar da saúde e a praticar atividades físicas, para poderem acompanhar o pique de um ser muitos anos mais jovens do que eles.
  3. Segunda oportunidade: As avós têm uma “segunda oportunidade” concedida por Deus para ajudar na criação dos netos de uma forma mais branda, sem os estresses e faltas de tempo da época em que criavam seus próprios filhos. Algumas avós (e avôs – por que não assim dizer), já são aposentados e têm mais tempo de se dedicarem aos netos, demonstrando carinho e amor sem pressa e sem culpas.
  4. Ginástica cerebral: Enquanto contam histórias sobre a família, sobre como os pais das crianças eram quando pequenos e o que eles faziam durante os momentos de arte, os idosos estão exercitando o cérebro e suas capacidades cognitivas, principalmente da fala e memorização. Ver fotos antigas, mostrar aos netos cartinhas escritas quando os filhos eram crianças (qual avó não guarda essas lembranças?) pode ser enriquecedor para o idoso!
  5. Novos aprendizados: Enquanto a pessoa mais velha narra fatos e acontecimentos históricos – seja da sociedade ou dos antepassados da família, os jovens possuem a tecnologia como grande aliada. A relação entre gerações tão diferentes pode ser um grande aprendizado para ambos. Se por um lado as avós ensinam seus netos através das próprias experiências de vida, por outro lado também podem aprender coisas novas com os mais jovens, formando com filhos e netos uma parceria de sucesso. Os netos podem ensinar aos mais velhos sobre as constantes mudanças no mundo referentes à forma de se relacionarem. Que tal mostrar à vovó ou ao vovô como aquela cartinha escrita pelo seu pai ou sua mãe quando era criança ficaria no formato de uma correspondência eletrônica? Ou então, que tal procurar a famosa receita do bolinho de chuva no Google? Os smartphones, computadores e tablets podem ser grandes facilitadores nessas relações intergeracionais entre avós e netos.
  6. Prevenção de doenças da terceira idade: Ser avó/avô é buscar forças para lutar contra as adversidades impostas pela idade avançada. Depressão, diabetes, dores musculares e várias outras patologias atribuídas ao aumento da idade podem ser afastadas ou terem seus sintomas abrandados com o nascimento de um neto. A chegada de uma criança na família é sempre motivo de muita alegria, imagina para aqueles que indiretamente contribuíram para seu nascimento ao darem a vida aos seus pais?

Vovós e vovôs: não confundam educar com mimar!

Junto com o amor incondicional de ser avô/avó, surge na vida do idoso o papel de educador dos filhos dos próprios filhos. Os avós, depois dos pais da criança, serão os eternos responsáveis pelo desenvolvimento, educação e bem-estar dos netos.

Para que a criança tenha sempre boas referências dos avós é importante que os idosos vistam a camisa de pai ou mãe sempre que tiverem sob suas responsabilidades criar e educar os netos. Por isso, seguem algumas dicas de como contribuir positivamente para a educação dos netos:

  • Nunca desautorize uma ordem dada pelos pais da criança: Os avós podem até não concordar com a atitude do filho/filha, mas nunca deverão passar por cima da autoridade dos pais da criança, principalmente na frente deles. Nessas ocasiões o mais sensato é procurá-los quando estiverem sozinhos para emitirem suas opiniões e tentar propor de forma amigável uma solução para o problema. Avós que desautorizam os pais na frente dos netos formam cidadãos sem referência materna/paterna e com graves problemas de desobediência aos pais e a outras figuras da sociedade.
  • Hora certa para tudo: Os avós devem desenvolver bons hábitos nos netos, como horários para as refeições, estudos e brincadeiras.
  • Saber dizer não: Talvez essa seja uma das mais árduas tarefas para os avós de plantão: Saber dizer não. Explicar o que é certo ou errado, dizer não quando os netos quiserem ou fizerem algo que não esteja de acordo com os padrões de educação e disciplina da casa são atitudes difíceis, mas que formam bons cidadãos.

Lembre de mim 🙂

E você, já é vovó ou vovô? Conta para gente como tem sido essa experiência na sua vida!

7 comentários

Deixe uma resposta