Intercâmbio na terceira idade: saiba como funciona

Publicado por

É possível sim aprender um novo idioma ou conhecer novos lugares depois dos 50 anos. Os programas de intercâmbio para a terceira idade tornam possíveis os sonhos de milhares de pessoas mais experientes.

É possível sim aprender outro idioma e conhecer o destino internacional dos sonhos depois dos 50 anos de idade. O aumento expressivo da população com mais de 50 anos fez com que várias empresas de intercâmbio se atualizassem e oferecessem programas de intercâmbio para a terceira idade.

Os programas de intercâmbio voltados às pessoas mais velhas (normalmente depois dos 50) possuem dinâmicas totalmente diferentes se comparados aos intercâmbios realizados pelos mais jovens. Através de parcerias com escolas de idiomas renomadas, os idosos aprendem outra língua, cultura e praticam o aprendizado através de passeios e demais atividades adaptadas ao ritmo de vida da melhor idade.

Entre as atividades voltadas ao público depois dos 50 anos de idade podemos destacar jardinagem, culinária, visitas a museus, a lugares históricos e várias outras. Todas elas são supervisionadas por profissionais especializados e preparados para lidar com idosos, de forma a garantir que os intercambistas da melhor idade tenham uma experiência positiva.

Apesar de várias agências de turismo disponibilizarem pacotes de intercâmbio voltados à terceira idade, os idosos podem também participar de intercâmbios regulares (aqueles oferecidos aos jovens acima de 18 anos). Para tal, o idoso deverá estar disposto a se relacionar com pessoas de faixas etárias diferentes, dividindo além das salas de aulas, a moradia e as experiências de vida com jovens. O intercâmbio para a terceira Idade é destinado a adultos com mais de 50 anos que tenham preferência de estudar e morar no exterior com pessoas da mesma faixa etária.

Quais as vantagens do intercâmbio na terceira idade?

  • Novos aprendizados: o envelhecimento traz consigo uma série de efeitos colaterais, como a perda das capacidades cognitivas e motoras dos idosos. Fazer um intercâmbio representa para a pessoa mais velha a oportunidade de exercitar a mente e o corpo, seja ao aprimorar uma profissão, aprender um novo idioma, uma nova cultura, conhecer novos lugares ou se relacionar com outras pessoas.
  • Troca de experiências: O intercâmbio para a terceira idade proporciona ao idoso uma troca mútua de experiências com outras pessoas, inclusive as mais novas. Desse relacionamento interpessoal nascem bons amigos, o idoso fica mais atualizado com o mundo ao seu redor – principalmente com a tecnologia e se torna mais independente e confiante.
  • Morar em casa de família: Na hora de adquirirem um pacote de intercâmbio para pessoas com mais de 50 anos, os idosos têm a oportunidade de escolher em que tipo de moradia desejam ficar. Geralmente as agências de intercâmbio oferecem acomodações em hotéis ou em homestay, que é o tipo de acomodação onde a pessoa fica hospedada na casa de uma família local. Alguns pacotes de intercâmbio possuem as principais refeições do dia incluídas no valor, o que representa maior comodidade para a pessoa mais velha, que não precisará cozinhar e ainda vivenciará no seu dia a dia a cultura e gastronomia do local onde escolheu para estudar.
  • Lazer: O intercâmbio na terceira idade possibilita que a pessoa visite várias atrações turísticas da cidade onde está hospedado. Visitas a museus, galerias de arte, monumentos históricos, praias (dependendo da localidade), parques e tantas outras atividades farão parte do aprendizado do idoso, pois ele precisará colocar em prática o que aprendeu em sala de aula.

Quais cuidados os idosos devem tomar para fazer um intercâmbio?

Assim como para qualquer viagem para o exterior, os idosos devem tomar alguns cuidados especiais antes de embarcar nessa aventura, como estar em dia com as vacinas, ter receitas atualizadas de medicamentos de uso contínuo e autorização médica para viajar.

Ao escolherem o local onde será realizado o intercâmbio, as pessoas mais velhas devem observar quais são as regras de assistência médica hospitalar do país. No Brasil, os idosos que não possuem plano de saúde contam com o Sistema Único de Saúde (SUS), mas em outros países, a assistência médica pode custar bem caro. Portanto, contratar um bom seguro-viagem pode ser a solução para evitar surpresas e não comprometer o orçamento de viagem do idoso.

No dia da viagem o idoso deve usar roupas confortáveis. Viagens aéreas com mais de 4 horas de duração aumentam os riscos de trombose e embolia pulmonar nas pessoas idosas. Durante a viagem é necessário que o idoso beba água e se possível caminhe dentro da aeronave, para manter ativa a circulação sanguínea.

Ao chegar no país escolhido para realizar o intercâmbio, a pessoa deverá verificar se as instalações de sua moradia estão de acordo com as suas necessidades. Pisos escorregadios, escadas sem corrimãos, mobília do lugar – tudo deve ser cuidadosamente observado pelo idoso.

A alimentação é outro fator de grande importância para as pessoas da melhor idade. Cuidado com a gastronomia local, que pode ser rica em gorduras, sódio ou condimentos. Provar a culinária da cidade onde está hospedado é uma forma de aprender sobre a cultura da região e conhecer novos sabores, mas nada de exageros – principalmente se o idoso tiver dieta restrita a determinados ingredientes.

Veja um pouquinho mais no vídeo

E lembre-se: Independentemente do tempo que se tenha vivido, nunca é tarde demais para realizar os seus sonhos. Já fez suas malas?

Deixe uma resposta