Idosos: quando é hora de parar de dirigir

Publicado por

O CTB (Código de Trânsito Brasileiro) não especifica uma idade máxima para requerer ou renovar a CNH; no entanto é necessário que o idoso reconheça que é chegada a hora de parar de dirigir. A família pode ajudar nessa importante decisão.

A ideia do idoso sentado em um sofá lendo jornal ou cuidando dos netos é coisa do passado. O aumento da longevidade humana traz consigo uma série de mudanças físicas e sociais relevantes para os indivíduos, principalmente as relacionadas com a manutenção da liberdade e independência dos mais velhos.

Estar ao volante proporciona essa autonomia para os idosos, a de se locomover com mais conforto pelas estradas do país. Quem é motorista bem sabe disso.

Entretanto, chega um determinado momento em que os problemas começam a aparecer: fica difícil manter o veículo dentro da faixa, as pequenas batidas se tornam cada vez mais frequentes e a saúde dos olhos e dos ouvidos já não é tão boa, a ponto de prejudicar a percepção visual e auditiva do idoso. Será o momento orientar o familiar mais velho a parar de dirigir?

Antes de qualquer coisa, devemos analisar que parar de dirigir é uma decisão que causa um grande impacto na vida do idoso e de seus familiares. Junto com essa decisão haverá uma série de mudanças no dia a dia da pessoa mais velha, como deixar de ir a determinados lugares ou ficar dependendo de terceiros para se locomover.

Abandonar o volante deve ser uma decisão que o idoso dever tomar de forma conjunta com seus familiares, e não como uma imposição. A pessoa mais velha precisa aceitar que enquanto estiver dirigindo, ela se torna responsável por si, por quem está dentro do carro e pelas demais pessoas na rua.

 

Mas quando é hora de parar de dirigir? A seguir listamos alguns sinais que podem ser impeditivos para que o idoso continue ao volante:

 

1) Condição visual do motorista sênior:

Um dos problemas que mais compromete a habilidade do idoso dirigir é a perda progressiva da visão. A partir dos 65 anos de idade problemas visuais como catarata, glaucoma e retinopatia diabética tendem a ser mais comuns e podem afastar a pessoa mais velha da direção.

No Detran são realizados exames de vista para solicitar a primeira habilitação ou para renovar a CNH. Caso seja diagnosticado algum problema, o idoso é orientado a procurar um oftalmologista. É recomendado que pessoas acima dos 60 anos façam exames de visão anualmente. Dessa forma, é possível prever e tratar doenças mais graves.

2) Limitação física do idoso:

Artrite, artrose, perda de força e outras condições físicas também se constituem como fatores impeditivos para que o idoso possa continuar a dirigir um automóvel, pois inviabilizam os movimentos necessários para conduzir o veículo com segurança.

3) Perda dos reflexos:

Os reflexos diminuem com o avançar da idade e essa perda significa um grande perigo nas estradas. Com o envelhecimento, há uma perda dos reflexos de ação e reação do corpo, que se tornam mais lentos e dificultam o motorista a sair de situações repentinas no trânsito.

Alguns medicamentos também podem comprometer a coordenação motora do idoso, como remédios antidepressivos, anticonvulsivantes e vários outros. Esses medicamentos podem afetar os reflexos do motorista sênior, levando- a parar de dirigir.

4) Doenças neurodegenerativas:

O Alzheimer e o Mal de Parkinson são duas doenças degenerativas cerebrais que comprometem a coordenação motora do idoso, causando limitações no movimento e na fala. Ambas são doenças consideradas impeditivas para a direção.

Exames médicos do Detran para idosos:

Com a chegada da terceira idade, os exames médicos de aptidão física requeridos pelo Detran para solicitar ou renovar a habilitação são realizados em um espaço menor de tempo.

Até os 65 anos de idade o condutor tem que realizar os exames médicos do Detran de 5 em 5 anos para renovar a CNH. Acima dos 65 anos, esse intervalo de tempo é reduzido para 3 anos. Um menor intervalo de tempo para o processo de reavaliação dos exames é exigido dos idosos porque acima dos 65 anos, as limitações físicas e sensoriais vão ficando cada vez mais nítidas.

Os exames de aptidão física é que determinam se o motorista ainda está apto ao volante ou precisa parar. Independentemente de quanto tempo se tenha vivido, ao cumprir as exigências do Detran para continuar dirigindo, a habilitação é renovada.

Estratégias para que o idoso possa continuar dirigindo:

Mesmo depois dos 65 anos é possível dirigir com segurança, basta que algumas medidas sejam tomadas para que o idoso não se exponha nem exponha os outros a riscos. A seguir, seguem algumas dicas para você, condutor sênior continuar ao volante:

  • Procure dirigir em horários mais tranquilos e sempre que possível, escolha trajetos conhecidos.
  • Se você tem alguma dificuldade visual, evite dirigir à noite.
  • Se você lida com a ansiedade, evite sair sozinho. A companhia de um familiar ou amigo no automóvel reduz os níveis de ansiedade e estresse do idoso ao dirigir.
  • Bolas de câmbio maiores são melhores opções para idosos que sofrem com artrite ou artrose.
  • Ao viajar com a família, leve junto um outro condutor devidamente habilitado, principalmente em viagens de longa distância. A cada 60 minutos faça uma pausa em um lugar seguro, como um posto de gasolina, restaurante ou lanchonete para descansar, ir ao banheiro, se hidratar e se alimentar levemente.
  • Sempre que se sentir perdido, peça ajuda. Pare o veículo em um lugar seguro e ligue imediatamente para um familiar de confiança.

E quando o idoso é obrigado a parar de dirigir?

Dependendo da avaliação médica, será hora do idoso deixar o volante de lado. Nesses casos, a família tem que agir em conjunto para que o mais velho prossiga com sua rotina diária sem prejuízos.

Idas ao médico, passeios e demais atividades que o idoso fazia com autonomia agora precisarão ser providenciados por seus familiares mais próximos. Caso não haja ninguém por perto habilitado e capaz de suprir essa necessidade, os serviços de transportes de aluguel, carona ou até mesmo motorista particular se constituem como ótimas alternativas.

Vídeo: Idosos brasileiros se despedem da CNH dirigindo Nissan GT-R de 572 cv

E você? Tem algum familiar idoso que parou de dirigir por causa de alguma limitação física? Como ele lidou com isso? Como a família fez para ajudar? Conta para a gente!

Deixe uma resposta