Institucionalização de idosos: vantagens e desvantagens das casas de repouso

Publicado por

Morar em uma casa de repouso nem sempre é uma decisão da família, às vezes parte do próprio idoso.

A decisão de colocar um familiar idoso em uma casa de repouso é sempre polêmica. Isso porque as pessoas associam os lares para idosos com abandono e maus tratos, mas a realidade da maioria das instituições especializadas costuma ser bem diferente.

Um idoso exige cuidados redobrados e nem sempre a família possui tempo disponível para oferecer a esse familiar mais velho, nem possui condições financeiras suficientes para arcar com a contratação de um cuidador de idosos. Esses são os fatores que mais motivam as pessoas a colocarem seus anciãos para morar em uma instituição de longa permanência para idosos (ILPI).

Mas às vezes, é o próprio idoso quem decide ir morar em uma casa de repouso, seja para não dar trabalho aos seus familiares, seja porque vê na entidade especializada um lugar de socialização, paz e tranquilidade, onde as suas necessidades serão melhor respeitadas.

O imprescindível em ambos os casos é fazer uma busca prévia por lares para idosos idôneos, que garantam a segurança, a saúde e o conforto do mais velho. Além disso, uma boa instituição deve contar com uma equipe especializada, como enfermeiros, cuidadores e bons geriatras.

Independentemente dos motivos que levaram o idoso ou seus familiares a optarem pelas casas de repouso, é muito importante que todos saibam que essa é uma decisão que tem seus prós e contras, ou seja, vantagens e desvantagens. A seguir, listamos algumas:

Vantagens das casas de repouso para idosos:

  • Socialização: Nas casas de repouso os idosos convivem com outras pessoas da mesma faixa etária, sendo possível conversar, compartilhar experiências e fazer novas amizades. Socializar com outras pessoas afasta os riscos de depressão na terceira idade e aumenta a autoestima do mais velho.
  • Combate à solidão: Alguns velhinhos não têm familiares por perto e alguns, acreditem, não têm parente nenhum. Com as limitações físicas adquiridas pelo avançar da idade, morar em um lar para idosos acaba sendo a melhor opção. Na instituição o idoso terá quem cuide dele em tempo integral, não precisará realizar muitos dos serviços domésticos que executava morando sozinho e ainda terá assistência médica sempre que precisar.
  • Atividades físicas e atividades extras: Quando os idosos dão entrada em uma casa de repouso séria, existem reuniões com a família para que a mesma ofereça informações importantes sobre o novo hóspede, como preferências alimentares, hábitos de descanso, gosto por artes, música ou atividades físicas. Em cima dos dados oferecidos, a instituição monta a rotina diária do idoso, com atividades extras e exercícios físicos para que o mais velho se sinta em casa.
  • Alimentação adequada: Por lei, as casas de repouso precisam ter pelo menos seis refeições diárias, elaboradas por um nutricionista e que garantam a quantidade diária de nutrientes para o bom funcionamento do organismo do idoso.
  • Adaptabilidade: As instalações físicas dos lares para idosos devem ser adequadas para garantir a qualidade de vida e segurança do mais velho. Banheiros adaptados, rampas de acesso, camas mais baixas e outras adaptações garantem as condições de habitabilidade do idoso.
  • Atendimento emergencial: Por contar com equipe especializada composta por médicos, enfermeiros, nutricionistas e cuidadores, as casas de repouso são capazes de socorrer na hora o idoso que passar mal.

Desvantagens das casas de repouso para idosos:

  • Afastamento da família: Uma das grandes desvantagens das casas de repouso é que o idoso vive longe da família e isso pode ser um fator contributivo para que ele se sinta infeliz e solitário, mesmo com tantos velhinhos ao seu redor. Existem instituições que permitem visita diariamente, outras não. E ainda existem famílias que por acreditarem que o familiar mais velho está em boas mãos, não vão visitá-lo periodicamente. Algumas famílias, nem vão.
  • Afastamento das atividades do dia a dia: É importante que a família tenha consciência que colocar um parente em um lar para idosos é uma tarefa que exige um longo período de adaptação. Antes de dar entrada em uma casa de repouso o idoso tinha uma rotina diária, como ir ao mercado, à banca de jornal e passear pela rua. Depois da institucionalização do idoso, essas atividades cotidianas são deixadas de lado, o que acaba fazendo com que o mais velho inicialmente se sinta isolado do mundo.
  • Lugar estranho: Nem todos os idosos conseguem se adaptar bem às mudanças de viver em um novo lar. Disposição dos móveis, dormitório, equipe de profissionais; tudo é novo para o hóspede ancião. Por melhor que seja a instituição de longa permanência, ela não deixa de ser um lugar estranho para o idoso. E na terceira idade, adaptar-se às mudanças é sempre mais difícil, por isso, o carinho, o apoio e a presença dos familiares nesse primeiro momento são tão importantes.
  • Insatisfação: Na hora da família procurar por instituição de repouso é primordial levar o idoso junto e deixar que ele participe do processo de escolha. Se isso não for feito, ele pode ficar insatisfeito com o local escolhido, o que poderá acarretar graves consequências em sua saúde.

Vale ressaltar que não basta apenas procurar uma casa de repouso renomada para seu familiar idoso e abandoná-lo lá.

É preciso que a família esteja sempre presente e se mostre interessada nas atividades que o mais velho desempenha na instituição. É importante que se preocupem com a sua saúde e que avaliem de perto se o idoso está tomando banho, se alimentando direitinho, tomando seus medicamentos e uma série de outros fatores.

É importante que o idoso se sinta amado, independentemente de estar morando na casa de algum familiar ou em uma casa de repouso.

O envelhecimento da população brasileira já é considerado um problema de ordem social. A institucionalização do idoso, apesar de polêmica, pode ser uma ótima alternativa para fazer com que as necessidades básicas dos idosos sejam atendidas e que seus direitos sejam respeitados.

E você, o que acha da institucionalização do idoso? Queremos saber a sua opinião!

7 comentários

Deixe uma resposta