Catarata em idosos: sintomas, causas, tipos e tratamento

Publicado por

A catarata é uma doença que atinge cerca de 70% dos idosos com idade igual ou superior a 70 anos.

A catarata é uma doença ocular que atinge o cristalino, a lente natural do olho, responsável por permitir que os raios de luz passem por ele e alcancem a retina no processo de formação da imagem.

Silenciosa e progressiva, a catarata vai tornando o cristalino opaco e deixando a visão embaçada, já que os raios de luz não conseguem alcançar plenamente a retina.

Em estágios mais avançados, a catarata pode provocar a cegueira no idoso.

Quais são os sintomas da catarata nos idosos?

A principal queixa entre pessoas maiores de 60 anos é a dificuldade para enxergar. No estágio inicial da doença, o mais velho começa a enxergar embaçado. Conforme a catarata vai avançando, outros sintomas podem ser percebidos, como:

  • Visão dupla ou distorcida;
  • Sensibilidade à luz;
  • Perda da percepção das cores;
  • Dificuldade em realizar as atividades do dia a dia por não enxergar direito;
  • Em estágios mais avançados da doença, a cegueira.

Quais são as causas da catarata na terceira idade?

A principal causa da doença é o envelhecimento, por isso a catarata é considerada uma doença típica da terceira idade. No entanto, o aparecimento da catarata no idoso também pode estar associado a outros fatores:

  • Catarata congênita ou adquirida: A catarata congênita pode ser adquirida ainda na gravidez, podendo aparecer durante o primeiro ano de vida de uma criança. As principais causas da catarata congênita são o uso abusivo de drogas e álcool durante a gravidez e de medicamentos como anti-inflamatórios e corticoides durante o primeiro trimestre da gestação. Rubéola, toxoplasmose ou sífilis nos três primeiros meses de gestação também podem causar catarata no bebê.

 

  • Catarata causada por doenças ou medicamentos (catarata secundária): Este grupo está associado às doenças capazes de desenvolver catarata nas pessoas, como diabetes, inflamações oculares e glaucoma. O uso de alguns medicamentos também pode contribuir para o surgimento da doença, como corticoides e esteroides.

 

  • Catarata traumática: Esse é o tipo de catarata a que estão sujeitos idosos que estejam passando por algum tipo de tratamento que envolva radiação, como tratamento de câncer ou que tenham sofrido algum tipo de lesão no olho, como socos ou pancada forte na região próxima dos olhos.

Como é feito o diagnóstico da catarata nos mais velhos?

Após perceber algum dos sintomas relatados acima, o idoso deverá procurar um oftalmologista de sua confiança. Esse profissional irá realizar uma série de exames para avaliar se há alguma lesão no cristalino, entre eles:

  • Teste de acuidade visual: O teste de acuidade visual é usado por oftalmologistas para avaliar a capacidade que o indivíduo tem de enxergar as coisas com nitidez. Pode ser realizado em pacientes de todas as idades e é eficaz para detectar vários problemas relacionados à visão, como a catarata.

No teste é utilizada a Tabela de Snellen, composta por linhas com letras e números de diversos tamanhos e que deve ser lida pelo paciente a distância. Esse teste representa a capacidade que a pessoa tem de distinguir formas, tamanhos e cores.

  • Mapeamento de retina: Mais conhecido como exame de fundo de olho, o mapeamento de retina permite que o oftalmologista observe com mais detalhes a estrutura ocular do paciente, como o tecido do olho, os vasos sanguíneos, os nervos, o cristalino e a retina.

O exame é feito com o uso de um aparelho chamado oftalmoscópio, que emite um feixe de luz no fundo do olho do paciente, permitindo que o médico avalie possíveis alterações na região. Geralmente o mapeamento da retina é feito após a dilatação da pupila do indivíduo com colírio específico. A pupila dilatada recebe o feixe de luz e proporciona que o oftalmologista perceba alterações nas estruturas do olho do paciente, como a opacidade do cristalino nos casos de catarata.

  • Exame de lâmpada de fenda: A Biomicroscopia é o exame mais realizado por oftalmologistas de todo o mundo e consiste na utilização de um equipamento chamado biomicroscópio, um microscópio ocular de grande alcance, capaz de ampliar as estruturas internas do olho de forma que seja possível ver até as células oculares do indivíduo.

Através desse equipamento o oftalmologista consegue avaliar em detalhes toda a estrutura ocular do paciente, da córnea ao nervo óptico. Ele é de extrema importância para diagnosticar doenças relacionadas à visão, como a catarata.

Existe tratamento para a catarata?

Não existe tratamento medicamentoso para a catarata, a cirurgia é a única opção para idosos que tenham desenvolvido a doença. A cirurgia é um procedimento simples, feita sob anestesia local e consiste na substituição do cristalino lesionado por um cristalino artificial, conhecido como lente intraocular (LIO).

Dependendo do estágio da doença, a lente intraocular pode ser dispensada e compensada por lentes externas especiais em óculos ou lentes de contato a serem usadas pelos idosos. Por isso é importante procurar um oftalmologista ao perceber os primeiros sintomas da catarata.

O diagnóstico precoce evita que a catarata avance e ofereça maiores complicações, como a cegueira no idoso, pois direciona o paciente para a cirurgia ou para o auxílio visual adequado. A necessidade da cirurgia se dá de acordo com o grau de perda de visão do paciente e conforme a doença esteja interferindo na qualidade de vida do mais velho.

Portanto, não espere perder a visão para procurar um oftalmologista. Se você já passou dos 60 anos e está com algum tipo de dificuldade de enxergar, procure hoje mesmo por ajuda profissional.

Um comentário

Deixe uma resposta