Como superar a dor da morte dos pais?

Publicado por

A morte é a única certeza dessa vida, mas quando ela chega, raramente estamos preparados.

Enfrentar a dor da perda de um ente querido não é nada fácil, principalmente quando quem parte são os nossos pais. Independentemente da idade que tenhamos, aquela criança ainda teima em habitar dentro de nós, pois é para o colo dos nossos pais que corremos toda vez que estamos aflitos.

Quando eles nos deixam a sensação de abandono é imensa. Um turbilhão de emoções nos invade, entre elas o medo e a insegurança. Nunca mais haverá a mão estendida, nunca mais as palavras de incentivo, nunca mais os puxões de orelha. É como se estivéssemos sozinhos no mundo, mesmo rodeado de pessoas. A morte dos pais causa na gente um dano irreversível.

Enfrentar a orfandade não é uma tarefa nada fácil. Quando uma criança fica órfã, o mundo inteiro a cerca de cuidados para que ela consiga superar a dor da perda. Entretanto, quando perdemos nossos pais na idade adulta, as pessoas cobram de nós maturidade e entendimento para aceitar a morte. Mas nem sempre é assim que acontece.

Como superar a morte dos pais?

Para enfrentar a dor da perda do pai ou da mãe (ou de ambos) é necessário primeiramente que a morte tenha sido um tema abordado na família de forma natural desde que o filho era criança. Crianças que são privadas do cumprimento do luto geralmente se tornam adultos com dificuldades de aceitar a morte como consequência da vida.

Outras formas também podem ser usadas para enfrentar a morte dos pais de uma maneira menos dolorosa:

  • Converse com outras pessoas sobre o que está sentindo:

Cada filho tem uma forma diferente de lidar com a morte dos pais. Há casos em que a morte é previsível, ou seja, dá para ir se preparando psicologicamente para o dia. Seja por idade avançada ou por motivo de doença, o luto nesses casos costuma ser mais fácil.

Entretanto, há aqueles que perdem seus pais repentinamente, sem sequer cogitarem tal possibilidade. As vezes um acidente ou um infarto fulminante leva quem mais amamos sem dar tempo ao menos de nos despedir. É uma ferida que jorra sangue e parece que nunca vai cicatrizar.

E como lidar com sentimentos tão bruscos? Procurando em ombros amigos o consolo. Conversando com outras pessoas abertamente sobre o que está sentindo. Procurando nos mais velhos a experiência de lidar com a dor da separação.

  • Procure por ajuda profissional:

No entanto, alguns filhos não se sentem confortáveis ou não conseguem conversar com outras pessoas sobre a morte, sobretudo a dos pais. Entre o que a pessoa está sentindo e entre falar sobre existe um grande abismo e as pessoas acabam se fechando. Nesses casos, a ajuda profissional de um psicólogo pode ser de grande utilidade ao filho que está enfrentando a dor da perda.

  • Se for preciso, chore:

Sim, chorar faz bem! O choro diante da morte dos pais nunca será visto como sinal de fraqueza, mas sim como uma saída inevitável para libertar a alma da dor. Se for preciso, chore. Todos irão compreender o momento terrível pelo qual está passando e ainda irão apoiar você.

  • Apoie-se em boas lembranças:

Depois que os pais partem, restam a saudade e as lembranças do tempo que passaram juntos. Para construir boas lembranças com seu pai e com sua mãe, enquanto vivos, dedique-lhes tempo de qualidade. Diga sempre que os ama e inclua-os na sua vida sempre. Quando eles se forem, você saberá que foi um bom filho e terá memórias reconfortantes para lidar com a morte.

Terapia do luto pode ajudar a superar a morte dos pais

A terapia do luto é um tratamento psicológico ou psiquiátrico que ajuda as pessoas a lidarem com a morte dos pais e de outros familiares de uma forma mais fácil, através de reuniões de aconselhamento.

Essas reuniões têm como principal objetivo fazer com que o indivíduo consiga superar cada fase do luto, compreendendo que a morte é um processo natural. Quando o filho não aceita a morte dos pais, o luto não resolvido pode gerar transtornos físicos e psicológicos em sua vida, como depressão, ansiedade e doenças de cunho emocional, como diabetes, hipertensão e várias outras. Saber lidar com o sentimento de perda é de extrema importância.

Quais são as fases do luto?

  1. Negação ou entorpecimento: Quando o filho ainda não se deu conta de que a morte levou quem ele mais ama e tenta negar o problema, fugindo da realidade. Essa fase envolve não querer falar com outras pessoas sobre a morte dos pais.
  2. Raiva: Nessa fase, a pessoa se sente injustiçada por estar passando por esse momento. É a fase de uma grande inconformidade e raiva, procurando motivos para justificar a morte dos pais, como a falta de um tratamento adequado em tal hospital, de um tratamento mais humano por parte de algum familiar, entre outros.
  3. Barganha: Essa é a fase em que o filho começa a fazer promessas de ser uma pessoa melhor caso consiga superar a dor da perda.
  4. Depressão: Essa é a fase mais difícil do luto, quando o filho se fecha em um mundo à parte e sente uma tristeza profunda. Também conhecida como a fase da saudade. É um estágio perigoso, que pode desencadear uma série de problemas psicológicos, físicos e sociais. A terapia do luto é essencial para que o órfão supere essa fase depressiva, pois proporciona ao indivíduo lidar com a morte dos pais de uma maneira suportável.
  5. Reorganização e aceitação: Depois de superados os estágios do luto descritos acima, é hora de reorganizar os ambientes partindo do princípio de eles não estão mais ali. É hora de aceitar a morte dos pais, por mais doloroso que pareça. É a fase de desmontar quarto, de doar roupas e redistribuir os papéis e funções que eles desempenhavam com outros familiares. É hora de cortar o cordão umbilical, definitivamente.

Como ajudar quem está sofrendo a dor da perda de um pai ou de uma mãe?

É muito comum tentarmos ajudar um enlutado com frases do tipo: “Seja forte.” “Vai passar”. “Seus pais não iam querer ver você triste, então não chore”… Apesar nos soarem como excelentes frases de apoio, elas só atrapalham, pois a raiva, o desespero, o choro, a tristeza e tantos outros sentimentos fazem parte dos estágios do luto, que precisam ser cumpridos e superados aos poucos.

A melhor forma de ajudar uma pessoa a superar a morte de um pai ou de uma mãe é oferecer a ela o ombro amigo para que a mesma possa chorar sobre ele. Ao saber que alguém está passando pela situação, demonstre carinho e apoio. Não faça cobranças ou críticas. Seja calmaria em meio à tempestade.

Deixe uma resposta