Dor crônica no idoso: principais causas, consequências e como tratar

Publicado por

A dor é uma das queixas mais comuns dos idosos; estima-se que 90% das pessoas com mais de 65 anos tenha ou já tenha tido algum tipo de dor.

O envelhecimento provoca uma série de mudanças no organismo da pessoa, como enfraquecimento ósseo, rigidez nas articulações, fraturas e várias outras doenças causadoras de dor crônica.

Mesmo que a dor crônica esteja ligada ao avançar da idade e suas consequências, seu tratamento não pode ser negligenciado. Independentemente do incômodo que causa e da intensidade de suas crises, a dor é uma sensação que precisa de cuidados, para que não vire um problema ainda maior. Descobrir as suas causas é o primeiro passo para tratar um mal que assola o público da terceira idade.

O que provoca a dor crônica nos idosos?

Várias doenças podem motivar a dor crônica na terceira idade. A seguir, preparamos uma lista com as mais comuns:

  • Artrite

A artrite é um dos tipos de reumatismo que geralmente se manifesta na terceira idade e é uma das doenças que mais prejudica a qualidade de vida do idoso.

Caracterizada como uma inflamação acentuada nas articulações, a artrite (ou osteoartrite) causa dores cuja intensidade varia de leve a gravíssima ao movimentar as articulações do corpo, sendo mais comum nos joelhos, nas mãos, nos pés e nos tornozelos.

A artrite pode ser causada por vários motivos, entre eles o excesso de peso, hereditariedade e o desgaste natural das articulações devido o envelhecimento (tempo de uso). Em casos mais graves, a doença causa deformidade nas articulações.

  • Artrose

Também conhecida como osteoartrose, a artrose é um tipo de reumatismo caracterizado pelo desgaste das cartilagens do osso, o que causa atrito entre eles durante os movimentos e causa muita dor aos portadores da doença.

A artrose é uma doença de natureza inflamatória e que possui vários sintomas, como dor e vermelhidão local, restrição de movimentos e cansaço. Assim como a artrite, a artrose também prejudica a qualidade de vida do idosos, pois causa dificuldade de locomoção e de movimentos.

  • Gota

Também conhecida como artrite gotosa, a gota é uma doença inflamatória causada pelo excesso de ácido úrico no sangue, uma substância formada pela decomposição da purina, um aminoácido encontrado em alguns alimentos.

A gota causa muita dor nas articulações, como nas crises agudas de artrite e acomete homens e mulheres com mais idade. Entre os sintomas da doença estão a vermelhidão, o inchaço e a dor nas articulações, sobretudo nas articulações do dedão do pé.

  • Lombalgia

A lombalgia também é conhecida como dor lombar ou dor nas costas e é uma doença que geralmente acomete os idosos. Entre os sintomas da lombalgia podemos destacar as dores nas costas, próxima da região da bacia e que podem se refletir para a região glútea e parte frontal das coxas.

Os fatores de risco para a lombalgia envolvem excesso de peso (obesidade), esforço físico feito de maneira repetida e má postura. Em alguns casos, a lombalgia pode sinalizar o aparecimento de uma doença mais séria, motivo pelo qual ao sentir dor nas costas de forma recorrente, um médico deverá imediatamente ser consultado.

  • Bursite

A bursite é uma doença caracterizada pela inflamação da bolsa sinovial (pequenas bolsas que envolvem as articulações e funcionam como amortecedores entre ossos, músculos e tendões evitando o atrito entre um e outro).

Apesar de ser mais comum nos ombros, a bursite também pode atacar outras partes do corpo, como joelhos, quadris, cotovelos e pés. Em ambos os casos a doença causa muita dor, vermelhidão e provoca a restrição de movimentos. A bursite acomete homens e mulheres com mais de 50 anos, tendo como principais causas movimentos repetitivos e o envelhecimento natural da máquina humana.

  • Depressão

Sim, a depressão pode causar dor crônica, sobretudo nos idosos. Na depressão ocorre um desequilíbrio químico das substâncias neurotransmissoras cerebrais como serotonina, noradrenalina e dopamina, responsáveis por regular os sentimentos de prazer, bem-estar, alegria e disposição física.

A depressão pode ser provocada por uma série de fatores, como algum fato marcante como a morte de algum familiar, problemas emocionais, uso de alguns medicamentos e pela hereditariedade.

A doença provoca dores de cabeça e dores pelo corpo de forma crônica, afetando principalmente a região da nuca, ombros e costas. A depressão é uma doença grave, considerada um problema de saúde pública e que não deve ser negligenciada. É uma doença também está associada aos casos de suicídio entre idosos e entre pessoas de outras faixas etárias.

  • Osteoporose

A osteoporose é uma doença associada ao envelhecimento, pois é caracterizada pela perda de massa óssea, que deixa os ossos mais frágeis e suscetíveis a fraturas. A osteoporose é uma doença assintomática (sem sintomas), que geralmente só é diagnosticada depois que os traumas acontecem.

A causa principal da osteoporose é o desequilíbrio entre renovação da massa óssea e sua perda, o que começa a criar cavidades nos ossos e causa o enfraquecimento. Apesar de ser uma doença relacionada com o avançar da idade, outros fatores também podem desencadear a osteoporose, como algumas doenças metabólicas, deficiência de cálcio e de vitamina D, alcoolismo, tabagismo e sedentarismo.

Como diagnosticar a dor na terceira idade?

A dor é sempre um sinal de que algo não está bem no nosso corpo, mas, nem sempre conseguimos identificar claramente suas causas.

Em caso de dor recorrente, ou seja, dor crônica, o idoso deve marcar uma consulta com um clínico geral, ortopedista ou reumatologista, pois só através de uma avaliação médica e da realização de exames específicos é possível chegar a um diagnóstico preciso sobre a doença que está causando a dor.

De acordo com a doença diagnosticada, o profissional de saúde irá indicar o tratamento adequado, como remédios, fisioterapia e dependendo do caso, até cirurgia.

Como tratar a dor crônica nos idosos?

A dor crônica pode ter um grande impacto negativo na qualidade de vida dos idosos, como restrição de movimentos, isolamento social, distúrbios do sono e comprometimento do benefício mensal do mais velho para custear medicamentos.

Além das terapias medicamentosas para tratar a dor crônica nos idosos, algumas outras práticas podem ajudar a diminuir os incômodos provocados pela dor, como por exemplo:

 

Cabe ressaltar que este artigo não substitui a consulta com um médico. Em caso de dor crônica, procure imediatamente o serviço de saúde mais perto da sua casa para que possa obter um tratamento eficaz no combate do problema.

 

 

 

3 comentários

Deixe uma resposta