Conceito de idoso na Itália

Itália muda conceito de idoso para 75 anos

Publicado por

Segundo a SIGG (Sociedade Italiana de Gerontologia e Geriatria), na Itália, uma pessoa com 70 anos de idade possui a mesma capacidade física e cognitiva de adultos com 50 anos.

Médicos italianos afirmam que a expectativa de vida na Itália aumentou e que, por isso, o conceito de idoso precisou ser atualizado para 75 anos. Atualmente, a Itália aparece no ranking como a segunda nação com maior número de idosos.

O aumento da expectativa de vida é um assunto que está bastante em pauta nos últimos anos e já é considerado um fenômeno mundial. Isso vem acontecendo porque diversas medidas estão sendo tomadas para melhorar a qualidade de vida individual e coletiva de jovens, adultos e idosos.

Cuidados básicos com a saúde, alimentação equilibrada e a prática regular de atividades físicas são algumas dessas medidas, que visam proporcionar mais qualidade de vida ao público 60+ e assim, prolongar os seus dias conosco.

Contudo, alguns países parecem mais avançados no que diz respeito à longevidade da população. Na Itália, por exemplo, a expectativa de vida para homens é de 83 anos e para mulheres 85 anos. Então, teve o seu conceito de idoso mudado para 75 anos.

Mas, para compreendermos os motivos que levaram a essa mudança, precisamos entender como que esse país europeu cuida e se relaciona com a sua terceira idade.

Conceito e os direitos dos idosos na Itália

Na maioria dos países, para que os mais velhos consigam reivindicar os seus direitos, eles precisam se adequar a pré-requisitos estabelecidos pela lei e pelo governo vigente. E na Itália não é diferente.

A primeira condição é, normalmente, a idade. No Brasil, o conceito de idoso é aplicado às pessoas com 65 anos. Somente com essa idade é possível ter direito à gratuidade em transportes e a isenção de IPTU, por exemplo.

Já naquele país europeu, só é considerado membro da terceira idade pessoas que possuem idade igual ou superior a 75 anos. Parece muito? Mas segundo os especialistas italianos, os indivíduos com mais de 60 anos ainda têm a mesma capacidade física e cognitiva de adultos com idade entre 40 a 50 anos.

Por isso, pessoas até 74 anos exercem as mesmas funções sociais e possuem os mesmos direitos do que as que são consideradas mais jovens.

Isso é perceptível, pois na Itália, comércios, bancos e outros locais públicos e privados não são obrigados a oferecer atendimento preferencial, como no Brasil. Como lá pessoas com 60 anos ainda são vistas como simples adultos, prevalece o bom senso no momento de enfrentar uma fila para fazer o pagamento de uma conta.

Contudo, em relação à aposentadoria italiana, os regimentos do país são mais brandos. Lá a Pensione di Vecchiaia, ou seja, aposentadoria por velhice estipula a idade mínima de 66 anos para os homens e de 62 anos para as mulheres. O máximo permitido atualmente é de 70 anos para ambos.

Esses cálculos são feitos a partir dos números da expectativa de vida, então pode haver alterações dependendo do posicionamento do governo italiano.

A Itália e o baixo número de doenças crônicas em idosos

A longevidade é efeito de uma série de medidas individuais e coletivas de uma nação. Por isso, cuidar do bem-estar e da saúde desde jovem é um passo para conseguir viver mais e com qualidade na fase idosa.

Sendo a Itália um país da terceira idade, não podemos deixar de notar que os índices de enfermidades, que acometem normalmente as pessoas com mais de 60 anos, são muito mais baixos do que no Brasil.

Mas por que isso acontece? Nesse país europeu, em primeiro lugar, existe um serviço médico de boa qualidade e fácil acesso. O SNN (Servizio Sanitario Nazionale) é um sistema nacional de saúde que possui consultas médicas, exames e internações a baixo custo ao cidadão.

Dessa forma, a população italiana cresce com um bom respaldo médico e quando chegam na velhice, possuem uma condição boa de saúde para realizar suas atividades cotidianas.

Em segundo lugar, tanto os mais jovens quanto os mais velhos do país buscam ter cuidados básicos em alimentação e exercícios físicos. Sabemos que ter uma nutrição equilibrada aliada às atividades físicas contribui bastante para a diminuição de doenças como o diabetes e a hipertensão. Dessa forma têm-se uma velhice mais ativa e duradoura.

Então, parece que os italianos já decifram os segredos para chegarem à melhor idade com mais saúde, bem-estar e disposição: um bom serviço médico, com uma nutrição equilibrada e a prática regular de atividades físicas.

Mas não é só na Itália que isso é possível não, viu? Seguindo esses passos, idosos de qualquer país, inclusive o Brasil, conseguirão ter uma maior expectativa de vida.

 

A Itália é o país da terceira idade, pois apresenta uma das maiores longevidades mundiais. Mas para chegar nesse patamar, descobriu alguns segredos para manter sua população mais jovem e ativa. Compartilhe esse mistério italiano em suas redes sociais e espalhe para os seus amigos o caminho da longevidade.

 

Deixe uma resposta