doenças autoimunes

Doenças autoimunes: como conviver com elas?

Publicado por

Apesar de não terem cura, as doenças autoimunes podem ser tratadas e podem permitir um envelhecimento ativo e feliz.

O corpo humano é um organismo vivo complexo, embora também seja extremamente delicado. E toda essa complexidade é protegida pelo sistema imunológico, que produz anticorpos contra bactérias, vírus, toxinas e demais antígenos (substâncias nocivas).

Dessa forma, esses invasores são destruídos antes de causarem danos aos órgãos do corpo. Contudo, o sistema imunológico pode ficar ‘confuso’ e não conseguir distinguir corretamente os antígenos dos tecidos saudáveis do corpo.

Assim, o sistema imunológico começa a produzir anticorpos contra as próprias células, tecidos ou órgãos saudáveis do organismo. Surge então, o que conhecemos como doenças autoimunes.

Nesta matéria, vamos explicar as causas dessas enfermidades, tipificando as mais comuns. Além de abordar os sintomas e os possíveis tratamentos que permitem um envelhecimento normal e feliz. Confira abaixo:

Causa das doenças autoimunes

Como vimos acima, o corpo, ao identificar invasores maléficos ao organismo, envia glóbulos brancos (leucócitos) para proteger e, ao mesmo tempo, eliminar essas substâncias. Contudo, em alguns casos, esses anticorpos podem acabar atingindo um tecido saudável do organismo, causando, assim, as doenças autoimunes.

Atualmente existem mais de 80 doenças autoimunes. O que diferencia uma da outra é o órgão afetado pela ação dos anticorpos.

Por exemplo, o diabetes tipo 1 é uma doença autoimune porque neste caso, as células do pâncreas que produzem insulina são afetadas pelos leucócitos. Já na esclerose múltipla, é o sistema nervoso central que é atacado.

As causas específicas desse distúrbio ainda são desconhecidas pelos estudiosos e médicos. No entanto, eles apostam que fatores externos como medicamentos e predisposição genética sejam os principais influenciadores do aparecimento das doenças autoimunes, principalmente na terceira idade.

Tipos e sintomas das doenças autoimunes mais comuns

Atualmente, especialistas conseguiram identificar 80 tipos de doenças autoimunes. A seguir, listamos as mais comuns:

1) Psoríase

A psoríase é denominada uma doença crônica para qual, infelizmente, ainda não existe uma cura. O seu surgimento ocorre por causa da acelerada reprodução de células epidérmicas.

Os principais sintomas dessa doença autoimune são inflamação, descamação, espessamento da pele e coceira. Além disso, há lesões mais brandas e outras mais extensas, dependendo da gravidade da psoríase.

Assim como as outras DAIs (doenças autoimunes), não se conhece a fundo a causa do surgimento da psoríase. Porém, alguns médicos apontam que medicamentos como propranolol, captopril, anti-inflamatórios e lítio podem agravar as lesões na pele.

2) Lúpus

O Lúpus é uma das mais conhecidas doenças autoimunes no Brasil e atinge cerca de 65.000 pessoas. A maioria delas, mulheres e adultos com idade entre 15 e 40 anos, mas pode acometer idosos também. Essa enfermidade é do tipo inflamatória e possui 4 tipos: Lúpus discoide, Lúpus sistêmico, Lúpus induzido por drogas e Lúpus neonatal.

O Lúpus pode se desenvolver de maneira rápida ou devagar, mas os sintomas normalmente são fadiga, febre, inchaço, dificuldades para respirar, queda de cabelo, feridas na boca, sensibilidade à luz do sol, entre outros.

Caso o idoso ou outra pessoa apresente qualquer desses sinais, procure imediatamente um médico e inicie o tratamento.

3) Doença celíaca

A doença celíaca é outro tipo autoimune que atinge negativamente o organismo de jovens, adultos e idosos, especialmente quando há o contato com alimentos que possuem glúten. Contudo, essa enfermidade ocorre mais em pessoas caucasianas e maiores de 60 anos.

O individuo que possui a doença celíaca pode não perceber, pois nem sempre os sintomas são ativos. Por isso há uma grande dificuldade em reconhecer a enfermidade.

Entretanto, quando os sintomas aparecem, os doentes reclamam, normalmente, de cólicas abdominais, diarreia e flatulência. Nos casos de crianças, ocorre a desnutrição e o emagrecimento.

Os mais velhos podem sentir também enxaquecas, câimbras, dores articulares e vários outros sintomas.

4) Diabetes do tipo 1

Esse tipo de diabetes ocorre devido a insuficiente produção de insulina no organismo, ocasionada pela destruição das células do pâncreas pelos leucócitos. Ou seja, o sistema imunológico defeituoso faz os anticorpos atacarem as células responsáveis pela produção do hormônio, por não identificá-las com um elemento natural do corpo.

Apenas 5 a 10% dos pacientes que têm diabetes possuem a doença do tipo 1. E geralmente seu surgimento se dá ainda na infância/adolescência. Por isso, o idoso não deve se preocupar tanto com o surgimento dessa enfermidade. No entanto, é recomendado estar em dia com as consultas médicas.

Os sinais dessa doença autoimune aparecem como fraqueza, fadiga, fome frequente, perda de peso, nervosismo, náuseas e vomito, além das vontades de urinar diversas vezes ao dia.

Doenças autoimunes: é possível envelhecer com elas?

As doenças autoimunes são consideradas doenças crônicas, ou seja, não têm cura. Além disso, também não podem ser prevenidas e seus sintomas podem aparecer e desaparecer várias vezes ao longo da vida.

A boa notícia é que existe tratamento para a maioria delas. O tratamento pode variar de acordo com o tipo de doença autoimune apresentada pelo paciente e pela sua gravidade. Geralmente medicamentoso, o objetivo do tratamento é reduzir os sintomas e controlar a autoimunidade do organismo, favorecendo o correto funcionamento do sistema imunológico.

Para saber qual é o melhor tratamento para o seu caso, consulte um médico. Pois somente ele poderá avaliar a sua condição clínica e prescrever o medicamento e a dosagem ideal para tratar a sua doença autoimune.

Seguir à risca as determinações do seu médico e manter uma alimentação equilibrada são as melhores formas de conviver com as doenças autoimunes e chegar à terceira idade de maneira ativa e feliz.

E você, tem alguma doença autoimune ou conhece alguém que tenha? Conta para a gente nos comentários como é conviver com a doença e o que você faz para garantir dias saudáveis e felizes com ela!

 

Deixe uma resposta