planejamento financeiro

O seu planejamento financeiro está preparado para a sua atual expectativa de vida?

Publicado por

O seu planejamento financeiro corresponde ao seu estilo de vida atual? Ou melhor, o seu estilo de vida se encaixa dentro do seu planejamento financeiro? Essas são perguntas essenciais que você deve fazer a si mesmo para analisar se está cumprindo o que se prometeu a fazer. 

Aliás, de tempos em tempos é bom reavaliar o planejamento financeiro, pois mudanças acontecem nas nossas vidas, como o filho que voltou a morar com a gente, e isso mexe com o financeiro. Sendo assim, neste artigo veremos como fazer um planejamento financeiro para que você possa ter uma vida tranquila sem dívidas a pagar e com, pelo menos, uma reserva de emergência.

Qual é a importância de se ter um planejamento financeiro?

O planejamento financeiro pessoal é de extrema importância para que as contas do mês fiquem equilibradas e para que você consiga separar uma quantia mensal para investir na sua aposentadoria e em outros planos futuros.

Sim, é importante pensar na aposentadoria, mesmo que você já tenha mais de 50 anos. Isso porque, com a nova reforma da previdência, pode ser que sua aposentadoria demore mais a chegar.

Assim, evita-se as dívidas e foca-se nos planos futuros. Com um planejamento financeiro podemos ficar mais aliviados, pois sabemos o quanto é possível gastar e o quanto vamos economizar mensalmente. Além disso, o dinheiro começa a trabalhar para a gente e não o contrário. 

Quando colocamos as receitas e os custos no papel começamos a entender melhor o que é possível fazer para que possamos realizar aquele sonho de viajar no final do ano ou para quitar aquela dívida que está acumulando juros no banco. 

Então, vamos ver como você pode fazer seu planejamento financeiro e viver de forma mais tranquila.

Como fazer seu planejamento financeiro?

Você vai precisar de poucos itens para fazer o planejamento financeiro. Basta ter em mãos um caderno, uma caneta e uma calculadora. Comece anotando todas as receitas que você tem, como o valor mensal da aposentadoria, salário, aluguel de imóvel e rendas extras.

Depois anote todas as despesas mensais, desde as fixas, como água, energia e gás, até as variáveis, como idas ao salão e lazer. Por fim, anote as dívidas que você tem a pagar. Aliás, se não tiver nenhuma dívida, considere-se uma pessoa que é bem organizada e responsável quanto ao dinheiro.

Como distribuir o dinheiro entre as contas e o investimento?

Agora, você precisará separar até 20% da sua receita para investimento. Sim, é preciso separar parte do dinheiro para investimento. Aliás, é essencial ter uma reserva de emergência que deve corresponder a 6 meses do seu custo de vida. Então, se você tem um custo mensal de R$2.000, sua reserva de emergência deve ser de R$12.000. 

Esta reserva deve ser investida em uma renda fixa que tenha liquidez imediata, que é quando você pode sacar o dinheiro a qualquer momento. O Tesouro Direto Selic é um ótimo lugar para você investir sua reserva de emergência. Assim, ela vai render mais que a poupança e você poderá sacá-lo caso surja algum imprevisto.

Além de investir na reserva de emergência, você pode investir parte do dinheiro em alguma meta de curto, médio ou longo prazo, como uma viagem ou a aquisição de um carro. Dessa forma, o restante da sua renda deve ser separado entre as demais despesas.

Comece a distribuir ele nas receitas fixas, depois, com o que sobrar, distribua para as receitas variáveis. Caso falte dinheiro, é preciso ver onde é possível economizar. 

Porém, sempre reserve dinheiro para o lazer, mesmo que seja pouco, pois é importante que você tenha esse momento durante a semana. Um modelo ideal de como dividir sua renda para as suas despesas é separar 50% para as necessidades básicas, 30% para desejos pessoais, que incluem o lazer e educação, e 20% para investir e pagar as dívidas.

E o que fazer para quem não tem muito controle com a vida financeira?

Se você sabe que não tem muito controle sobre sua vida financeira, defina valores semanais que pode gastar em cada área da sua vida. Você pode pegar cartões, colocar o valor em cada um deles com o nome para o que ele vai ser destinado e toda semana sacar o valor e deixar dentro do cartão. Assim, quando faltar o dinheiro, você não poderá utilizar o cartão de crédito como desculpa para comprar além do que o definido.

E se sua renda não está dando conta de todas as despesas, mesmo com o planejamento financeiro feito, uma alternativa é fazer renda extra. Pessoas com mais de 50 anos podem conseguir renda extra com palestras, assessorias, consultorias, cuidador de animais, alimentação, entre outros. É só ver quais são suas habilidades e encontrar uma renda extra.

Então, não espere suas dívidas se acumularem para fazer o planejamento financeiro. E também não fiquem sem uma reserva de emergência. Siga as dicas e faça uma análise das suas rendas e despesas. 

Aliás, se precisar de ajuda para montar um planejamento financeiro, você pode contar com uma consultoria financeira pessoal. Acesse e confira os benefícios.

Deixe uma resposta